Uso de Arla 32 está abaixo do esperado no Brasil

USO DE ARLA 32 ESTÁ ABAIXO DO ESPERADO NO BRASIL

O uso do Arla 32, agente a base de ureia, obrigatório para todos os veículos diesel com tecnologia SCR, está de 30% a 40% abaixo do esperado no mercado brasileiro. O consumo menor é reflexo da falta de conhecimento de muitos motoristas e donos de caminhões, que optam por adulterar o sistema ou usar produto falsificado para economizar, algo que pode colocar em risco a durabilidade do motor do veículo.

Os modelos equipados com tecnologia SCR de pós-tratamento de gases avançaram no Brasil a partir de 2012 porque o sistema era uma das opções capazes de atender a norma Euro 5 ou Proconve P7, que limita as emissões de poluentes de caminhões e ônibus. Ao adaptar o veículo para dispensar o uso do Arla 32, o usuário prejudica ainda a qualidade do ar, já que a filtragem de poluentes deixa de ter eficácia. Usado de forma correta o produto reduz em até 97% a emissão de material particulado e em 95% os níveis de NOx na comparação com os modelos com tecnologia Euro 1.

Quando instalados emuladores, ou chips que permitem burlar o uso de Arla 32, o nível de emissões do caminhão aumenta quase cinco vezes. O uso do aditivo adulterado pode gerar multa de até 60 mil com apreensão do caminhão. Desde  abril de 2013, há claro distanciamento entre as vendas de diesel e as do agente de ureia. Fato: desconfie de Arla 32 muito barato. Não existe mágica quando o assunto é Arla 32.

 

Back to Top